pArlamento

January 12 and 13, 2019

12 e 13 de janeiro , 2019

O Parlamento decorreu no Surfing Clube de Portugal

O Parlamento decorreu no Surfing Clube de Portugal

On the 12th and 13th days of January 2019, The Outside Crowd was called to “Parlamento” to show what happened there. At the end of this page, you can watch the videos. Until there, you can read what the people who had active participation in the event said, as well as what motivated who made it happen. Let’s start with the name that raises so many questions. Without further delay here is the explanation given by Mauro Motty, one of the members that made Parlamento happen: “The name Parlamento started in Ghéthary, France, in my 2018 summer vacations. It is a wave for longboard and it is very versatile, you can surf five meters as well as a half meter”. Passing some hard times to give a name to the Event, the solution was founded inside of the water: “I was surfing at Parlamento and there was a moment when it struck me”. The intention was to create an event versatile and dynamic such as Parlamento’s wave so the decision was taken and evolved into the “Parlamento” as we know it today.

//

Nos dias 12 e 13 de janeiro de 2019 o The Outside Crowd foi chamado ao “Parlamento” para mostrar o que lá se passou. Os vídeos estão no final deste artigo. Até lá leiam os testemunhos de quem teve uma participação ativa no evento, assim como as motivações da organização. Comecemos pelo nome que tanta dúvida gera. Sem mais demoras aqui está a explicação dada por Mauro Motty, um dos organizadores: “O nome Parlamento começou em França, em Guéthary, nas minhas férias de verão de 2018. É uma onda para longboard e é muito versátil onde tanto se pode surfar com cinco metros como meio metro.” Dada a dificuldade sentida para definir um nome para o Evento, a solução foi encontrada dentro de água: “Estava a surfar no Parlamento nas férias e fez-se luz na minha cabeça.” Como a intenção era criar um evento versátil e dinâmico, semelhante às características da onda francesa, a decisão estava tomada e ali nasceu o “Parlamento” que se desenvolveu até ao que hoje conhecemos.

Pedro Vieira - Feel Flows Surfboards - e Paulo Jacinto - Paulo Jacinto Surfboards - em conversa animada durante a primeira talk do Parlamento

Pedro Vieira - Feel Flows Surfboards - e Paulo Jacinto - Paulo Jacinto Surfboards - em conversa animada durante a primeira talk do Parlamento

With all the creativity and will to make it happen in his heart Mauro Motty felt the need to share his idea and count on somebody that could contribute with reason in order to bring Parlamento to the real world. Alexandre Santos liked the idea and it became a common goal: “We established several things that we thought were important and things started to fit naturally.”

One of those important things was to present alternative surfboards in their several formats. Another one was to promote interaction between who does them, as well as change stories and experiences strengthening the knowledge of every participant. With several shapers on board that didn’t know each other everything was set to make it happen. As a bonus, the weather gave its best and the sea provided good waves “tailored” to the surfboard test drive available.

//

Com toda a criatividade e vontade de fazer acontecer no coração, Mauro Motty sentiu necessidade de partilhar a ideia e contar com alguém que pudesse contribuir com a razão para que o Parlamento ganhasse vida. Alexandre Santos gostou da ideia e passou a ser um objetivo comum: “Definimos uma série de pontos que achámos ser importantes e as coisas foram-se encaixando naturalmente”.  

Um dos pontos importantes era apresentar pranchas alternativas nos mais variados formatos. Outro ponto era promover a interação entre quem as faz, assim como trocar histórias e experiências, potenciando o conhecimento de cada um. Com a participação de shapers diversos que não se conheciam, estavam reunidas as condições para que tudo corresse bem. Como bónus, o tempo “deu tudo” e o mar proporcionou ondas mesmo a pedir um test drive às pranchas disponíveis.



With respect to arranging events that promote and celebrate Surf Culture in Portugal everyone agreed. Let’s see:

Pedro Vieira representing Feel Flows Surfboards traveled from Porto to Estoril, and stayed the whole weekend giving us the guarantee that it was worth it: “It was great to get to know people and the ambiance was amazing! It was a sharing environment and not of competition. If we help each other we will only win. The market grows as well as the critical mass of interested people. The concept of the event was really respected it was all about sharing and talking.”

To Nico the shaper of Wavegliders the weekend’s overview was very good: “I’m happy to be here celebrating the beach culture with everybody”. The sharing mood was also a matter of emphasis and matched with the opinion of other shapers present during the weekend: “I’ve tried surfboards from other shapers and it is always good to be up to date […] This event is all about communion and sharing. No rivalries. […] Everything was amazing.”

The expectations of Marco Tainha BloodBrothers’s shaper were clearly surpassed and his conclusion is that it was a very positive experience: “I think that it was very clean with great energy and very transparent, very open-minded.” The commitment with products and craftsmen of Portugal was also something worth of highlight: “We have Portuguese shapers maybe better than Australian and Californian ones. We already have the know-how and great surfers.”

But Parlamento was not only made of surfboard shapers. Gabriel Santos makes wooden fins - Quilhas Alfredo - and stood by the weekend. His overview was also very positive: “It was amazing. Very very good! Mostly because I saw kids and lots of young people taking surfboards […] that aren’t what they usually deal with and going to catch some waves and returning with an ear to ear smile! For me, that was the most positive of the whole weekend.” Another highlighted matter was the union not only of surfboard shapers but people from other areas like designers. It resulted in a richer event.

“It was the first event into this area and completely overcome my expectations, not only in interaction, the relationship between people involved in this kind of surfboards, but also the youngsters and their interest. Kids were completely wild and open-minded to try everything they could. It was really amazing.” This was said by Pedro Falcão, the designer behind Fly Black Bird surfboards that believes that this was just the starting point and that probably we will have a sequel. About the Fly Black Bird’s Surfboards Pedro was very happy. His overview: “it was really worth it. This is an area that is very unknown. You can’t find these boards in a surf shop. The probability of crossing with surfboards like these is sparse.”. However the vision of a brighter future is there as well as the need to arrange events of this kind: “The interest is increasing and you are going to start seeing more […] [and relative to Parlamento] it’s always positive because you create a feeling of surprise on the youngsters and for us it’s a pleasure to watch them smiling”.

//

As opiniões são unânimes quanto à necessidade de existirem eventos que promovam e celebrem a Cultura de Surf em Portugal. Vejamos:

Pedro Vieira, shaper da Feel Flows Surfboards, viajou do Porto até ao Estoril, esteve presente nos dois dias do evento e garante que valeu a pena: “Foi ótimo conhecer pessoas e o ambiente foi fantástico! Foi um ambiente de partilha e não de competição. Se nos ajudarmos mais entre nós só temos a ganhar. O mercado cresce e aumenta a massa crítica de pessoas que se interessam. Cumpriu-se o desígnio do Evento - Parlamento - foi mesmo uma questão de conversar e partilhar.”

Para Nico - shaper da Wavegliders - o balanço dos dois dias foi muito positivo: “É uma alegria estar aqui a celebrar esta cultura de praia com todos”. O espírito de partilha também foi algo a destacar e à semelhança de outros shapers presentes, esta é uma opinião com a qual todos parecem concordar: “Experimentei pranchas de outros shapers e é sempre bom ver o que se está a passar. […] Este evento carateriza-se mesmo com a comunhão e partilha do que cada um está a fazer. Não há rivalidades. […] Tudo foi muito bom.”

As expetativas de Marco Tainha - shaper da BloodBrothers - foram bastante superadas e a conclusão é que foi uma experiência muito positiva: “Acho que foi clean, com uma grande energia, muito transparente, muito aberto.” A aposta em Portugal, em produtos e artesãos nacionais também foi algo a destacar: “Temos shapers nacionais se calhar melhor do que californianos e australianos. Já temos know how e grandes surfistas”.

O Parlamento não contou apenas com a presença daqueles que fazem pranchas. Gabriel Santos faz quilhas em madeira - Quilhas Alfredo - e marcou presença nos dois dias. Fazendo o balanço do fim de semana, a presença não podia ter sido melhor: “Foi brutal, muito muito bom! Principalmente porque vi miúdos e muita gente nova a pegar em pranchas […] que à partida não são aquilo que eles veem e a irem para dentro de água e a voltarem com um sorriso de orelha a orelha. Isso para mim foi o mais positivo de tudo.” Outro ponto a destacar foi o facto de o Parlamento juntar não só shapers como pessoas de outras áreas, como por exemplo o design,  que contribuíram de forma bastante positiva para acrescentar valor ao evento.

“É o primeiro evento dentro desta área e superou completamente todas as expectativas, não só no convívio, na relação entre todas as pessoas que estão envolvidas na construção deste tipo de pranchas, como das camadas mais jovens, o interesse que elas tiveram. Os miúdos estavam completamente delirantes, com a cabeça aberta para experimentar todo este tipo de material. Foi incrível.”. Quem o diz é o designer Pedro Falcão - Fly Black Bird -  que acredita que este foi apenas o ponto de partida e que provavelmente haverá uma sequela. Sobre as pranchas da Fly Black Bird, o feedback obtido foi bastante positivo e, no final do evento, Pedro estava bastante satisfeito. Fazendo o balanço: “Valeu muito a pena. Isto é uma área que está bastante desconhecida. Não vais a uma surfshop e tens lá estas pranchas. Há em algumas, mas muito poucas. A probabilidade de te cruzares com uma prancha destas é rara.” No entanto a visão quanto ao futuro é positiva e a realização destes eventos é bem vista: “Há cada vez mais mais gente interessada e cada vez vês mais. […] [em relação ao Parlamento] é sempre muito positivo porque crias surpresa na malta mais nova e para nós é uma alegria”. 



Talking about the future Alexandre Santos says that “the market is needy of stuff like these […] there’s no space for debate, for sharing.” And is just for it that Parlamento exists and want to contribute. Keeping his reasoning and also making his overview Alexandre says. “It also could be a space with performance surfboards and alternative ones. We are open-minded and we are going to think about what happened here and what can we do”. No promises for the future, but it was clear that they desire to make more

We are waiting for developments and news!

For now, let’s watch some videos:

//

Quanto ao futuro, nas palavras de Alexandre Santos “o mercado está carente destas coisas […] não há espaço de debate, de partilha.” E é para isso que o Parlamento quer contribuir. Continuando o raciocínio, e também em jeito de análise aos dois dias, a afirmação mostra abertura para evoluir: “Poderia até ser um espaço com pranchas performance e alternativas. Nós não temos uma mente fechada a outro tipo de pranchas, mas naturalmente temos uma série de ilações a tirar deste evento.” Promessas para o futuro não há, mas a vontade de fazer mais existe e ficou clara.

Esperamos por desenvolvimentos e novidades!

Por agora recordemos alguns momentos do Parlamento: